Pública

AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

» Assunto » #CopaPública

  • Cidades-sede restringem comércio ambulante na Copa do Mundo. Na foto, Recife.  (Foto: Chico Peixoto/Leia Já Imagens)

    Território da FIFA

    |

    Nas cidades-sede, pressão sobre ambulantes aumenta com regras da FIFA; nas áreas de restrição comercial, só vai vender quem vestir a camisa dos patrocinadores

  • Plenário do Senado (Foto: Ana Volpe/ Agência Senado)

    Leis antiterrorismo preocupam movimentos sociais

    |

    Saiba aqui quais são e em que pé estão os projetos de leis antiterrorismo que serão debatidos hoje em São Paulo, vistos como ameaça às manifestações durante a Copa

  • Imagem-micro

    Sem Copa verde

    |

    Vendida como a capital da floresta, Manaus acumula decepções com as obras – que já mataram três operários – sem retorno para os moradores; e pode decepcionar os visitantes com as marcas da degradação urbana e da desigualdade social

  • microbolsascopa

    Andrade Gutierrez enfrenta ação do MPT por acidentes de trabalho

    |

    Desde o início das obras, três operários morreram; a Pública localizou a família de Marcleudo Melo Ferreira, que estuda processar a construtora e a União pela morte do rapaz de 22 anos

  • Manifestação de 25 de janeiro foi a primeira de uma série que já está prevista pelos movimentos contra a Copa (Foto: NINJA)

    Quem grita ‘Não vai ter Copa’?

    |

    A reportagem da Pública procurou os ativistas que articularam a primeira manifestação do ano contra a Copa; encontrou um grupo heterogêneo e determinado a deter o Mundial à base de protestos – sem “atos violentos”

  • Estádio de Durban.

    Porno-desperdício

    |

    A repórter Laura Capriglione mostra o que a Fifa e o governo africano varreram pra baixo do tapete durante a Copa da África do Sul

  • Baianas protestam em Salvador (Foto: Ninja)

    Legado pra quem?

    |

    Cinco histórias de vitórias populares contra violações aos direitos à cidade, à moradia, ao trabalho, à cultura e ao esporte durante os preparativos da Copa

  • Jogadores do Mauaense se preparam para enfrentar o time da Sapesp. Na base da pirâmide do futebol, a realidade é outra (Foto: Renato Leite Ribeiro)

    Os boias-frias do futebol

    |

    A Pública visitou o universo dos pequenos times e dos jogadores profissionais desempregados e subempregados que o Bom Senso F.C denuncia. Abuso é pouco, constatou.

  • Surgimento de torcidas gays em 2013 mostra que LGBTs querem ocupar espaço no esporte (Foto:Reprodução/Facebook Bambi Tricolor)

    O tabu das arquibancadas

    |

    Enquanto torcedores formam grupos para dar visibilidade à homossexualidade, organizadas temem perda de espaço. Discussão sobre homofobia no futebol é inadiável

  • "Abrimos uma porta na qual nós temos que entrar", diz Alex (Foto: Divulgação)

    Coisa de profissional

    |

    Bom Senso FC se reúne hoje com CBF, TV Globo e outros “chefes” do futebol, para debater situação de atletas, calendário dos jogos e exigir transparência de clubes e entidades

  • Monotrilho vai passar sobre a cabeça das comunidades do Comando e do Buraco Quente (Foto: Ciro Barros)

    Depois que o trator passou

    |

    Obra do monotrilho destruiu comunidades do Comando e do Buraco Quente, na zona Sul de São Paulo, separando famílias e deixando moradores em situação precária

  • Traçado do VLT deveria seguir antigo ramal da RFFSA, mas passa pelo meio de várias comunidades (Foto: Roger Pires/ Comitê Popular da Copa de Fortaleza)

    Obra ameaça 5 mil famílias em Fortaleza

    |

    Construção do VLT Parangaba-Mucuripe prossegue, apesar da resistência dos moradores e de contestações do MPF, da Defensoria Pública e do TCE

Cartes

Pública indica

Especial liderado pelo repórter Mauri König, da Gazeta do Povo, em parceria com os jornalistas Martha Soto, da Colômbia, e Ronny Rojas, da Costa Rica, traça um panorama do contrabando de cigarros na América do Sul. Empresas do presidente do Paraguai, Horácio Cartes, são essenciais no esquema e têm ligação com financiamento e lavagem de dinheiro de narcotraficantes e das Farc, na Colômbia. A empresa de Cartes responde por 30% dos 67 bilhões de cigarros produzidos por ano no Paraguai - os paraguaios fumam só 2%.

Histórias recentes